08 julho 2007

Protesto estudantil mas civilizado!

Eis uma manifestação de estudantes em que em vez de andaram a partir toda a Universidade aquando dum protesto qualquer, resolvem ajudar a Universidade em causa a nível informático e na diminuição de custos! Por mim, era de passá-los a todos e já! E se eles tiveram o cuidado de fazer backup aos dados, era de passá-los com distinção!!
SÃO PAULO - Universidade acusa estudantes que ocuparam reitoria da USP de formatar 46 PCs e instalar Linux.

Ao falar na rádio Eldorado, a reitora da USP, Suely Vilela, afirmou que os dados perdidos com a formatação dos computadores vão constar na lista de prejuízos causados pela ocupação do prédio da reitoria da USP, que durou 50 dias.

Os computadores do prédio usavam Windows XP e Microsoft Office. Formatados, os PCs receberam distribuição Linux.


Fonte: Info Online.

6 comentários:

Eu digo mais, deviam entrar para o quadro de honra da Universidade. Infelizmente sabemos que não vai ser assim e eles vão ser punidos por limparem a universidade.

E eu ainda digo mais. Foi um acto de vandalismo. Agora falta saber o tempo que os funcionários demoraram a aprender a usar o novo sistema e também os dados que foram perdidos por incompatibilidades dos dados. Além disso se calhar os windows já estavam pagos e trocaram um sistema pago que os funcionários sabiam usar para um sistema livre e que ninguem saiba usar sem dar tempo para aprenderem.
Já agora instalem a versão dev 2.3 do openoffice que felizmente lembraram-se de centrar a página. Antes de mudarem à toa primeiro vejam os conhecimentos dos funcionarios, questões de usabilidade e depois façam uma migração progressiva.
Linux sim mas com moderação :)

Luiz Armesto disse...
09 julho, 2007 07:03
 

Venho acompanhando os artigos deste blog pelo Planeta GNU/Linux Brasil e tenho gostado muito deles, mas como estudante da universidade em questão e entusiasta - e dentro do possível colaborador - do Software Livre, em especial o Linux, espero que este artigo tenha sido escrito com intenção irônica. Tudo o que não precisamos é desse tipo de propaganda negativa.

Eu não uso mais o Windows a algum tempo. Gostaria que cada vez menos pessoas o utilizassem, porém defendo a liberdade de escolher usá-lo ou não.

As cópias dos produtos da Microsoft apagados eram todas licenciadas. Mesmo participando de programas de licenciamento de softwares proprietários, a universidade tem envolvimento grande com Software Livre, podendo destacar entre várias ações, a presença de Linux em grande parte dos computadores das salas de informática para uso dos alunos (projeto pró-aluno[1]) e a construção de um Centro de Competência em Software Livre[2].

"Usuários xiitas", quanto mais longe melhor.


[1] http://www.usp.br/proaluno/
[2] http://www.usp.br/agen/repgs/2007/pags/006.htm

É claro que este artigo foi escrito num tom irónico, como é habitual neste blogue. Por isso disse tambem que os estudantes deveriam ser passados com distinção. Não sei quais foram os computadores formatados, mas se estavam legais e implicou perda de dados, é mau, muito mau!

Cumprimentos..

Temos de manter a boa disposição, e um pouco de ironia. Afinal de contas podia ter sido pior.
Já pensou se fosse ao contrario? (PCs com Linux, e eles tivessem instalado o XP) o prejuízo iria ser muito maior :)

Pra resumir em poucas palavras minha opinião: apóio o movimento feito na USP, mas esse tipo de atitude só desacredita o movimento estudantil. Isso também denigre a imagem do movimento open-source, pois o grande público vê simplesmente como vandalismo.
No que diz respeito ao Linux e à iniciativa open-source, acredito que seja preferível convencer a vencer, mostrar ao invés de impor. Afinal de contas, além de software, trata-se de liberdade. Inclusive daqueles que têm escolhas diferentes das nossas.
Fora o fato da migração de sistemas ser assunto sério. Instalar uma distribuição Linux qualquer em um escritório ou qualquer ambiente desse tipo sem levar em consideração as necessidades e objetivos dos usuários é uma atitude irresponsável e está longe de ser positiva, mesmo como forma de protesto.
Pra finalizar, demonstrando meu respeito aos que acreditam no Linux e minha indignação com alguns governantes e administradores, devo dizer que acho um absurdo algumas faculdades estaduais paulistas, tais como a USP e a Unicamp gastarem grandes quantidades de dinheiro com licenças de softwares desnecessários (e eu acredito que seja o caso do Windows em muitos institutos), enquanto supostamente não há dinheiro no orçamento apertado dessas universidades para a contratação de professores, uma necessidade urgente.