28 julho 2008

iPhone e Amigos

Chegou à pouco tempo a Portugal o Apple iPhone e, tendo em conta as notícias, está a ser um sucesso. Montes de gente às portas para o comprar. No entanto, não podemos esquecer um facto: o porquê de haver tanta aderência ao movimento iPhone. A resposta é mais do que simples: se por um lado o "wooowwwww" da novidade, por outro está o suspeito do costume fã da Apple.


Não digo que o equipamento não tem qualidades e que não inova em determinados sentidos mas acaba por se comprometer em muitos aspectos que quase assemelha ao Vista (o grande SO (suposto) que seria o boom da inovação e ainda fica muito àquem do sistema Linux). É óbvio que o multitouch e toda aquela capacidade de armazenamento impressionam, pelo menos num telemóvel. No entanto, acaba por ser quase tão comum como qualquer outro telemóvel de gama alta, não fosse o facto de ser multitouch e comportar-se como um iPod. Vejamos porquê: Não possuí mms nem video-chamada apesar de se denominar 3G, possui carências no que toca à escrita de mensagens e todo o acesso a conteúdos está sujeita ao incrível DRM.
Existem equipamentos com idêntica capacidade e alguns deles bastante mais baratos e sem qualquer tipo de escravatura em forma de assinatura a operadores móveis.

Podemos referir várias opções: Nokia N96 (este talvez um pouco mais caro), qualquer equipamento ao nível do HTC TyTNII (peca na capacidade e no Software... WinMobile) ou também o Neo da OpenMoko.

Basta comparar-mos os 3 primeiros: Nokia N96, Apple iPhone e HTC TyTNII; as diferenças são óbvias e, em regime de comparação, o produto Apple quase não se justifica (pelo menos ao preço a que está).

Falemos agora da outra opção: o Neo da OpenMoko!!!
O que se pode dizer a não ser: "E se ao Software Livre se juntasse o Hardware Livre?"
Aqui fica. O último a vir em projecto é o FreeRunner e devo dizer que, tanto ao nível de preços anunciados como de software (Linux :D) associados às prometidas evoluções e capacidades, não fica muito longe da capacidade do produto da Apple. Mas isso deixo para cada um analisar.Imagens gamadas pelos amigos.

8 comentários:

Ai ai esses erros de português...:

"'possui' carências no que toca à escrita de mensagens e todo o acesso a conteúdos está 'suJeita' ao incrível DRM."

Agora o comentário ao post: Realmente essa febre pelo iPhone parece-me excessiva, pessoas em fila à porta da loja, se bem me lembro de ter lido, alguns dias seguidos!!(??)
E como é dito no post a "escravatura" de uma mensalidade a uma operadora e ainda por cima o preço nada amigável... Mas enfim!

Eu adoro software open source (e o iPhone está cheio deles, pelo menos 22 na última contagem) no entanto já experimentei o iPhone e ele realmente impressiona.

Não é apenas a tela sensível ao toque (que funciona melhor do que qualquer alternativa existente hoje no mercado) e a grande capacidade de armazenamento. No conjunto o produto é realmente muito bom, eu diria até que é imbatível.

Sim ele tem alguns sério problemas como por exemplo a baixa autonomia da bateria na versão 3G, e impossibilidade de fazer buscas por mensagens na aplicação de correio eletrônico, a ausência do 'copy and paste' e a impossibilidade de enviar e receber MMS. E isso é realmente irritante, porém não chega a comprometer a experiência do usuário.

A concorrência, bem a concorrência está se esforçando para recuperar o tempo perdido. Você já experimentou navegar na Internet com o iPhone? E com todos os outros telemóveis disponíveis no mercado? A concorrência não consegue nem chegar perto neste quesito.

Existe também a AppStore que mesmo sofrendo com o excesso de controle da Apple, trata-se inquestionavelmente de uma killer application para a plataforma iPhone.

No horizonte eu consigo enxergar o seguinte cenário: o iPhone reinando sozinho como objeto do desejo da parcela de consumidores de maior poder aquisitivo, ameaçado apenas (eventualmente - ainda precisamos ver as opções de aparelhos e seus recursos) pelos dispositivos com o Google Android embarcado e correndo por fora (tentando manter a liderança no segmento) a RIM com o seu Blackberry, com apelo quase irresistível para os road warriors e executivos de plantão.

Os demais aparelhos? Bem a medida que aumenta a escala das soluções high end seus recursos sofisticados estarão gradualmente incluídos nos aparelhos de menor custo isso é fácil de prever. No entanto é possível que vejamos um fenômeno interessante graças ao Android (e a uma possível fusão deste com o Symbian da Nokia), a popularização definitiva dos smartphones em substituição quase que completa aos telefones tradicionais.

É possível que o Android acabe desempenhando no mundo dos telemóveis um papel semelhante ao da plataforma PC no universo dos computadores pessoais. Enquanto que o iPhone continue firme e forte como equipamento de consumo diferenciado, como vemos hoje acontecer com o Macintosh.

Mas não acho que todo o barulho em torno do iPhone seja motivado essencialmente pelos fanboys da Apple. O dispositivo e realmente revolucionário depois do seu lançamento ficou comprovado que existe interesse e mercado para uso de smartphones entre os simples mortais, não apenas em faixas de mercado específicas. Isso claro, desde que eles sejam fáceis e agradáveis de usar.

@antoniofonseca

No entanto continuo a achar que a mera popularização da estrutura de aplicações disponíveis e o facto de ser quase um ipod que acede à internet e faz chamadas não justifica o seu ponto de destaque.... a sua grande inovação está realmente no multitouch... porque à 4/5 anos atrás já eu andava a brincar com os QTeq em que se instalava praticamente tudo, as fotos tinham uma resolução incrível e a capacidade internet não se fala. Na altura era um brinquedo para uns 500€. Isso é o que o ipod tem.

Ultimando a minha opinião, acho que realmente o único forte será mesmo o multitouch... porque no que toca a aplicações e navegação na internet já existem grandes concorrentes no mercado e muitos deles ao nível da Apple (e free :D).
Não estaria assim preso ao DRM e a qualquer tipo de controlo vindo da Apple.

A grande inovação é o multi-touch sem dúvida... mas o design também é engraçado. Um iPhone desligado não passa de um paralelepípedo muito fino que nem parece um telemóvel. Quanto aos outros equipamentos... o Nokia parece-se com aquilo que é, ou seja um telemóvel, o Open MoKo acho que tem um design pouco atractivo...
Mas o que vai mudar o mundo não vai ser o equipamento mas sim o software e esse chama-se Android.

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

No mínimo o iPhone é um dispositivo revolucionário porque está forçando todo o resto do mercado a pensar nos telemóveis de maneira diferente! ;-)

Agora estou ansiosíssimo para ver o que vem por aí executando com Android.

Ótimo post.

Queria saber o que vocês acham do HTC Touch Diamond e como ele ficaria se colocado lado a lado com o Nokia N96 e iPhone 3G.

[]s

@israel

Aparentemente apresenta-se como superior ao TyYN II mas as específicações dadas pela própria HTC não esclarecem todas as características no que toca a suporte de rede e se terá a possível expansão por cartão de memória característica dos seus antecessores.

No entanto a interface é visualmente agradável, apenas destoa na concepção física: demasiado.... diamond.

Mas estará sem dúvida acima do HTC apresentado e portanto em paralelo com os restantes.