19 junho 2007

Dar um grande passo atrás....

Tenho andado um pouco afastado dos artigos aqui no Tux, mas ando meio ocupado com uns PCs de colegas. E a sentir aquela nostalgia de mexer em coisas antigas e obsoletas, mas que nos davam muita alegria e chatices há uns anos. Não sei se percebem como é, mas tentem imaginar-vos a conduzir um Picasso ou algum BMW durante uns 2 anos, cheio de mariquices electrónicas e depois tem de agarrar num Clio da primeira geração ou aqueles Fiestas velhos, onde tanto tempo brincaram. A primeira coisa que vem à cabeça são as recordações e depois é a sensação de atraso tecnológico que esses carros tem agora, comparados com os ultimos modelos que estão por aí à venda.

É mais ou menos isso que tenho sentido, ao mexer nos PCs com aquele miserável SO de nome XP. Um gajo afeiçoa-se ao Linux e quando regride para mexer no XP é de ficar com os nervos em franja! É os balõezinhos a avisar de disco cheio, a avisar que o antivírus está desactualizado, que não passou na validação de software genuíno, são os pedidos de vários programas para serem pagos, são os reboots por tudo e por nada, são os trojans a pular por todos os lados, multidões de vírus a conviverem em festa juntos no disco, fazendo parecer as marchas de Lisboa um cortejo fúnebre! Se fosse possível retirar todo o malware que estava em qualquer dos PCs que me chegou às mãos, misturá-lo com água e deitá-lo ao rio, a poluição seria tanta que as descargas das suiniculturas na Ribeira dos Milagres em Leiria pareceriam uma descarga de perfume Chanel Nº5!

Acho que quem não usa Linux, não entende bem o que estou para aqui a escrever. Até deve achar normal um SO ser assim. Mas quem usa Linux, vá lá, durante um ano, sabe que não tem que se preocupar com essas coisas de vírus, trojans e essas merdas do windows. Habitua-se à estabilidade e segurança dum bom SO, habitua-se a usar o PC sempre ligado sem reboots e sente realmente dar um gigantesco passo atrás ao mexer num XP.

Mas mesmo sabendo da merda que é o XP, ainda me consegue surpreender com piores motivos. Mas a culpa é apenas dos utilizadores dos PCs, claro! Segundo o Vitor, comentador cá do blogue e apoiante do windows, a culpa não é do windows, mas sim do utilizador ou do hardware... Mas é muito azar que todos os windows que por aqui tem me passado pelas mãos, venham todos nuns estados completamente deploráveis. E os seus donos até são cuidadosos. Devem ter tido azar. Todos eles....

7 comentários:

Assim meio offtopic: epá eu tenho um clio desses e estou contente :P

Eu só uso GNU/Linux à 3 meses e já me desabituei, quase na totalidade, de essas cenas que infestam sistemas windows. Só não me desabituei completamente porque tenho duas máquinas com windows em casa; uma do velho e a outra do irmão.

Eu concordo com o Bruno, ainda só uso na totalidade ( sem ser dual boot) GNU/Linux, há uns quatro meses, e na primeira semana já notava isso. E então é tão bom fazer os updates que são disponibilizados para Linux, e não aparecer nenhum mensagem a dizer que tenho um SO não genuíno. Um computador é como o ar condicionado funciona melhor até abrirmos as "Janelas".

@Pedro

A ideia é que se andares num carro moderno durante alguns meses ou anos e voltares para o Clio, vais sentir um retrocesso, uma regressão...

Eu já tive a infelicidade de ser chamado por um cliente para ajudá-lo com um problema em seu computador.

Era algo simples, porém um tanto inusitado, pop ups pornográficos (dos mais fortes, mulheres arreganhadas).

O detalhe é que o proprietário era extremamente religioso e sequer imaginava como aquilo foi parar lá, lógicamente um usuário auto-clicante (daqueles que clica em tudo o que vê).

Windows e seus usuários!

Nem imaginam como me identifico com este artigo, mudei para kubuntu feisty à 1 ou 2 semanas e no outro dia tive de mexer no meu velho windows 2000... insuportável!!!
Já não me habituo.

Compreendo perfeitamente o que dizes... eu utilizo linux à anos e não quero outra coisa... Além disso como moro nos Milagres, não podia pensar em utilizar o Windows: é muita merda junta, e podia fazer-me mal...

Um abraço e continua com os bons artigos...